Deu um branco! E agora?

Aprenda o que causa esse bloqueio, tão comum entre os estudantes, e como você pode exercitar sua memória para evitá-lo

Você deixou amigos, baladas e distrações de lado por um longo período, estudou com seriedade, se dedicou de verdade. E quando chega a hora da prova, dá aquele branco bem na questão você mais estudou? Essa é uma das situações mais comuns entre os alunos que estão sob uma intensa carga de pressão para passar de ano, no vestibular ou tirar uma nota boa no Enem. Mas por que isso acontece?

Existe uma explicação científica para esses episódios de esquecimento temporário. Quando estamos sob intensa pressão, nossas glândulas adrenals, que ficam acima dos nossos rins, liberam um hormônio chamado cortisol. Uma vez na corrente sanguínea, esse hormônio provoca várias alterações no funcionamento do nosso organismo, com sintomas como taquicardia, boca seca e suor excessivo. Ele também afeta o funcionamento do nosso cérebro, especialmente as nossas funções cognitivas e nossa capacidade de recordar.

Confira a seguir como lidar e até mesmo evitar o famoso branco:

1.      Não se desespere

Perder a calma por causa do branco só vai aumentar o seu estresse e prolongar o bloqueio. Na imensa maioria dos casos, essa situação não excede mais do que dois minutos. Respire fundo, passe para outra questão – preferencialmente uma cuja resposta você saiba. Quando voltar à questão esquecida, a memória provavelmente já terá se recuperado.

2.      Diminua o estresse

Noites completas de sono nos dias que antecedem a prova são fundamentais. O ideal, aliás, é que você estude durante o dia e durma durante a noite, porque o sono é o momento em que a informação estudada é registrada na memória de longo prazo e se torna disponível por meses e até anos. Praticar esportes também ajuda a aliviar o estresse. E se você quiser saber mais sobre como tornar mais suave o dia da prova, clique aqui.

3.      Evite as bebidas com cafeína

Esse é um clássico entre estudantes: para aproveitar ao máximo o tempo disponível para estudar, eles recorrem a bebidas como café, refrigerantes com cafeína e energéticos para se manterem acordados. Bem, é importante saber que o excesso de cafeína aumenta a ansiedade, o que pode piorar a ocorrência de bloqueios. E como já dissemos acima, há provas científicas de que a privação de sono afeta a memória.

4.       Dê significado ao que está estudando

Um conteúdo desconectado da realidade e pelo qual você passe apenas uma vez tem grandes chances de ficar registrado apenas na sua memória de curto prazo, que rapidamente se perderá. Tente fazer conexões do assunto estudado com exemplos práticos e significativos da vida real. Se você conseguir encaixar o conteúdo num contexto carregado de emoção, suas chances de ativar a memória de longo prazo aumentam muito.

5.      Exercite a sua memória

Segundo os neurocientistas, desenvolver a memória é perfeitamente possível. Basta que você a estimule com novos conteúdos e desafios. Assistir TV demais, por exemplo, é algo que prejudica a expansão da sua memória, bem como sair apenas com os mesmos e conversar sempre sobre as mesmas coisas. Quebre a rotina, procure novos temas e aprenda sempre mais. Essa é a melhor maneira de manter o seu cérebro saudável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu