Aprenda a usar o hífen – Parte 2

No post de hoje, você vai aprender quando NÃO deve usar o hífen.

Como você já viu na parte 1 deste post, as regras sobre quando você deve empregar o hífen, vamos mostrar hoje as situações em que você NÃO deve usá-lo.

Esta parte é muito importante também, porque várias dessas regras foram implantadas na última reforma ortográfica, ou seja, antigamente o hífen podia ser empregado em algumas dessas situações, o que costuma confundir bastante a cabeça dos vestibulandos.

As regras em que isso acontece, no quadro abaixo, estão sinalizadas por um asterisco. Preste maior atenção a essas palavras, portanto, para evitar confusões na hora da redação.

NUNCA use o hífen…

* Se o prefixo termina com vogal diferente da que inicia a palavra seguinte.Exemplos: autoavaliação, autoescola, autoestima, coautor, infraestrutura, semiárido.
* Em palavras que perderam a noção de composição.Exemplos: mandachuva, paraquedas, paraquedista.

Observação: substantivos compostos que perderam sua significação individual para construir uma unidade semântica ou os que designam espécies botânicas e zoológicas continuam com hífen. Exemplos: bem-te-vi, couve-flor, guarda-chuva, erva-doce, pimenta-do-reino.
* Nas locuções substantivas, adjetivas, pronominais, verbais, adverbiais, prepositivas ou conjuntivas.Exemplos: fim de semana, café com leite.

Exceções: água-de-colônia, água-de-coco, cor-de-rosa.
* Depois do prefixo terminado em vogal, se a segunda palavra iniciar com “r” ou “s”. Nesses casos, a consoante dobra.Exemplos: inter-regional, super-racista, hiper-requintado.

Observação: O hífen será mantido se o prefixo terminar em “r” e a segunda palavra começar com a mesma consoante.
  Com prefixo terminado em vogal e a segunda palavra iniciada em consoante diferente de “r” ou “s”.Exemplos: autopeça, anteprojeto, altofalante, extraforte, contracheque.
  Com prefixo terminado em consoante diante de palavra iniciada com vogal ou com consoante diferente.Exemplos: intermunicipal, hipermercado, superpopulação, subemprego.
  Com o advérbio “mal” diante de palavra iniciada por consoante. Exemplos: malfadado, malvestido, maltratado, malpassado, malgovernado.

Alguns casos são bem difíceis de avaliar, como por exemplo aquele em que as palavras perderam a noção de composição. Como saber se isso aconteceu com alguma palavra? Bem, enquanto você estuda em casa, sempre é possível pesquisar no Google. Mas na hora da prova, se pintar aquela dúvida, a dica é: tente substituir a palavra por outra com significado semelhante, mas que não seja composta. ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu